sexta-feira, julho 15, 2005

Retratos

Seus olhos diziam claramente aquilo que os poetas tentam, muitas vezes em vão, dizer com palavras. Mas há muito as pessoas perderam a capacidade de 'ouvir' um olhar. Assim como perderam a sensibilidade para receber um gesto de amor, mesmo os mais puros, aqueles que só fazem mal quando ignorados. Já passara da fase de tentar entender, quando ficava imaginando o que se passava na cabeça daqueles que abraçava como quem abraça a vida. E para ele, era como se dissessem "tá, você gosta de mim, já percebi, mas essa é a última coisa que eu preciso". Por amar tanto aceitava que fosse assim, não sem sofrer. A verdade liberta, mas mesmo livre, até então escolhera a dor à segurança, pois cria ser isso viver. Mas estava cansado, a indiferença minava-o lentamente e a dor se tornara um castigo auto-imposto, sem objetivo e que começava a produzir ressentimento. Dissera a si próprio que iria até o fim, mas não queria chegar nesse ponto. Aceitava a amargura, mas não o ressentimento. Então resolveu tomar uma decisão, a mais drástica que já tomara em toda sua vida. Há muito que a considerava, sempre com pavor e desdém. Mas agora era a única coisa a fazer, nada mais importava. Precisava acabar de uma vez por todas com aquilo tudo. Vencido, tomou a decisão que adiara por tanto tempo. Resolveu... Finalmente resolveu crescer...

O coração era um transatlântico, grande como a palavra.

Mas transatlânticos também afundam. E este está à deriva há muito tempo...

15 comentários:

  1. Gosto dos seus textos, mas quase sempre acho-os melancólicos.
    Este é como os outros, melancólico, fiquei meio triste com este papo de que ele precisa crescer, no entanto, talvez seja verdade...

    Ah, estes dias passei uma tarde numa livraria e lembrei de vc!

    Bjs

    Ps: Se eu já vi o trailer?? Eu já decorei o trailer!! Alias, na primeira vez que vi até chorei...

    ResponderExcluir
  2. Bom retrato de um retrato! :)

    ResponderExcluir
  3. E aqui estou eu, aceitando a tristeza. Por que a gente se vê levada a essas decisões tão dolorosas?

    ResponderExcluir
  4. É, os seus textos são melancólicos, mas acho que é exatamente por isso que me tocam tanto.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. moço...
    eu gosto de seus textos...

    ResponderExcluir
  7. Espero que meu dia de crescer ainda demore.
    Belo texto gostei muito do começo lembra aquelas coisas que tdo mundo tem na cabeça pra escrever e ninguem nunk escreve pq naum sai desculpe se estou sendo grosseiro naum é a intensão.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo5:03 PM

    Putz, o que dizer de palavras tão tocantes? Me tocou como ha muito nada me tocava.
    Crescer, será tão ruim assim?talvez sim, qdo as pessoas deixam que a criança e a inocência interior adormeçam.

    Beijos, boa semana.

    Priscila

    ResponderExcluir
  9. ae ae ae!
    crescer e viver pode parecer dificil demais para nós...

    mas to começando a enxergar uma luz no fim do tunel...

    ResponderExcluir
  10. Esse texto foi pior do que um tapa.
    Espanque minha face, mas não maltrate meu coração.

    Nossa, estou chocada...

    ResponderExcluir
  11. fiz um blog novo, se vc gostar de politica da uma passada lá

    ResponderExcluir
  12. nada pior do que ser ignorado..
    nada mais triste do que abrir mão da espeontaneidade do amor..
    belo texto =)

    passei pra dar um alô..
    beijos,

    ResponderExcluir
  13. "...mesmo os mais puros, aqueles que só fazem mal quando ignorados". Vim ler de novo, pois é. Triste? Muito. Lindo? Também. Fazer o quê?

    ResponderExcluir
  14. Campanha pela atualização dos blogs!!! Vamos lá Agasea!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Que saudade irmnão! O mundo das decisões. Desejos versus valores. Vontades versus dúvidas. É verdade, sempre crescemos quando acabamos por decidir. Abraços irmão!

    ResponderExcluir